sábado, 7 de julho de 2007

Silêncio Amoroso

Preciso do teu silêncio
cúmplice
sobre minhas falhas.
Não fale.
Um sopro, a menor vogal
pode me desamparar.
E se eu abrir a boca
minha alma vai rachar.

O silêncio, aprendo,
pode construir. É um modo
denso/tenso
- de coexistir.
Calar, às vezes,
é fina forma de amar.

Affonso Romano de Sant'Anna

4 comentários:

Cin disse...

Concordo. No amor, mtas vezes as palavras são desnecessárias.
Linda semana pra ti.
Bjos!

Tathiana disse...

Tá, nem sempre as palavras são mesmo suficientes pra expressar tudo que a gente quer dizer.. Mas há silêncios e silêncios... E alguns deles são fatais pro amor... Beijos.

Mel disse...

Tudo bem que muitas vezes se diz mais no silêncio do que ao falar, mas ouvir o outro é essencial!!
:)

Girassol disse...

Uma coisa é o silêncio cúmplice, aquele que surge quando o entendimento entre duas pessoas está além das palavras.

Outra completamente diferente, é o silêncio que usamos como fuga, ou forma de protecção, das palavras que podem mudar rumos de vida, atitudes, sentimentos, etc...

Não consigo interpretar o silêncio como fina forma de amar, pois concordo com a Mel na importância de ouvir o outro.

Beijos menino.

""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""